fbpx
Home Noticias Garantidor hipotecário deve permanecer no polo passivo de execução

Garantidor hipotecário deve permanecer no polo passivo de execução

Execução
Garantidor hipotecário deve permanecer no polo passivo de execução

Ministro do STJ ressaltou entendimento da Corte de que é indispensável que o garantidor hipotecário figure como executado para que a penhora recaia sobre o bem dado em garantia.

É indispensável que o garantidor hipotecário figure como executado para que a penhora recaia sobre o bem dado em garantia. Assim entendeu o ministro Marco Aurélio Bellizze, ao dar provimento ao recurso de uma empresa para que o terceiro, que prestou a garantia real, permaneça no polo passivo da execução.

A ação originária trata-se de execução de título executivo extrajudicial (duplicata) em que a empresa pretende o recebimento do crédito, razão pela qual indicou como executados outra empresa e o garantidor e sócio, em razão de garantia real efetuada pelo sócio/proprietário da empresa.

O juízo de 1º grau determinou emenda à inicial para excluir da execução o sócio, por entender que ele não fazia parte do título executivo.

Irresignada com a decisão, a empresa autora da ação interpôs recurso sustentando que o sócio deva também integrar o polo passivo da execução em razão de ser garantidor em contrato de cessão de direitos entabulado entre as partes.

O TJ/DF indeferiu o pedido, consignando que o sócio, o qual figura como garantidor em contrato de cessão de direitos, não pode participar no polo passivo da ação executiva por não constar no título executivo extrajudicial.

Ao STJ, a empresa apontou violação do art. 779, V, do CPC/15, sustentando, em síntese, que terceiro que prestou garantia real, por meio de hipoteca, deve ser mantido no polo passivo da execução.

O relator, ministro Marco Aurélio Bellizze, destacou ser firme o entendimento do STJ no sentido de “ser indispensável que o garantidor hipotecário figure como executado para que a penhora recaia sobre o bem dado em garantia, porquanto não é possível que a execução seja endereçada a uma pessoa, o devedor principal, e a constrição judicial atinja bens de terceiro, no caso, o garantidor hipotecário”.

Diante disso, o ministro considerou que o acórdão recorrido, ao manter a decisão do juízo de primeiro grau que determinou a emenda da inicial para que fosse excluído o terceiro garantidor, que constituiu em favor da recorrente hipoteca de primeiro grau, não refletiu o entendimento da Corte, motivo pelo qual deve ser reformada.

Assim, deu provimento ao recurso especial para que o terceiro, que prestou a garantia real, permaneça no polo passivo da execução.

Processo: REsp 1.914.274
Veja a decisão.

Share:

You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *